Cap. I - A Magia dos Livros

Tudo começa em Trás-os-Montes, no Norte de Portugal, onde Os Primos se encontram a passar férias. Toda a família está embrenhada na leitura, exceto André, que parece ter trocado o poder e a magia dos livros por uma série de televisão. Maria decide fazê-lo mudar de ideias, sem imaginar que uma mudança de planos os irá conduzir a Marrocos, precisamente em busca de um misterioso e surpreendente manuscrito antigo chamado O Livro dos Segredos...

2 - mapa final (Large).jpg
Colinas de Trás-os-Montes 1 (Medium).jpe
3 - A magia dos livros Final (Large).jpg

À esquerda, o percurso desta original e misteriosa aventura que improvisamente leva Os Primos de Trás-os-Montes a Marrocos. Ao centro, a primeira cena da história e as colinas da aldeia transmontana no Norte de Portugal que serviram de inspiração à autora Mafalda Moutinho e ao ilustrador Umberto Stagni.

Colinas de Trás-os-Montes 2.jpeg
Colinas de Trás-os-Montes 4.jpeg
Colinas de Trás-os-Montes 3 (Medium).JPG

Inseparáveis, Os Primos passam o começo desta aventura em mil e uma atividades no campo, na quinta dos avós, explorando os montes e vales das redondezas, observando burricos e ninhadas de coelhinhos e pintainhos acabadas de nascer, palmilhando o leito seco do riacho em busca de amoras silvestres, apanhando cerejas, fazendo piqueniques e mergulhando nas praias fluviais da zona e do Azibo. André até decide ajudar o avô na apanha da batata, mas a experiência não lhe corre muito bem…

apanha das batatas (Medium).JPG
burrico (Large).jpeg
Cerejas de Trás-os-Montes(Medium).JPG
Praia fluvial 2 (Medium).jpg
Azibo 2a.jpeg
Azibo 1b.jpeg

Infelizmente, o avô tem uma queda que obriga a uma mudança inesperada de planos. Os Primos já não vão poder passar o resto das férias na quinta, mas acompanharão os embaixadores até Marrocos, durante um breve destacamento diplomático do embaixador Torres, pai das duas irmãs. A princípio, Maria recusa-se a ir por recear as aranhas, mas de repente muda de ideias sem explicar a ninguém o porquê da sua decisão. André bem tenta, mas a prima não lhe revela a verdade e o rapaz fica cada vez mais curioso e determinado a desvendar o segredo…

 

Cap. II - A Lenda do Livro dos Segredos

Quem os vai buscar ao aeroporto de Fez, a mais antiga cidade imperial de Marrocos, é um historiador famoso. No caminho até ao riad, o hotel onde ficarão instalados, este revela-lhes que, dentro de uma das bibliotecas mais antigas do mundo, encontrou um códex com referências a um estranho manuscrito do século IX, chamado Kitāb al-asrar, O Livro dos Segredos. Mas quando os jovens se mostram interessados em lê-lo, o homem confunde-os, dizendo-lhes que ninguém sabe onde este se encontra…

5 - Primos no riad  final (Large).jpg
riad Fez (Medium).jpg
4 - Códex com tarboosh final (Medium).jp

A chegada ao riad de Fez e o primeiro códex d’O Livro dos Segredos.

Aeroporto de Fez (Large) (Medium).JPG
mulher a atravessar a estrada (Large).jp
Boulevard Ben Mohammed El Alaoui em Fez.

Em cima, à esquerda, o aeroporto de Fez, onde Os Primos aterram; ao centro, a mulher que veem a atravessar perigosamente a estrada e, à direita, a Boulevard Ben Mohammed El Alaoui, que percorrem para chegar ao riad. O historiador revela-lhes que encontrou as pistas da misteriosa lenda na biblioteca de Al-Qarawiyyin, e que o livro parece ser uma coleção de quatro códices aos quais correspondem quatro capítulos. Diz-lhes também que foi escrito por Ibn al-Latīf, um autor de quem nunca se ouviu falar, na mesma altura em que surgiram As Mil e Uma Noites, a famosíssima coleção de contos árabes…

Biblioteca de Al-Qarawiyyin.jpg
Place Seffarine 2(Medium).JPG
Mafalda Moutinho na Place Seffarine.JPG

Biblioteca de Al-Qarawiyyin, na Place Seffarine, onde a autora Mafalda Moutinho observa artesãos a martelar objetos de metal, mantendo vivo um dos mais antigos ofícios da almedina de Fez.

caminho até ao riad em Fez (Medium).JPG
caminho até ao riad em Fez 3(Medium).JPG
caminho até ao riad em Fez 2(Medium).JPG
caminho até ao riad em Fez 4(Large).JPG

Em cima, fotografias do percurso até ao riad onde Os Primos ficam alojados, caminhando por ruas de edifícios decadentes que causam grande apreensão a Maria, com portões velhos, paredes esburacadas e arcadas a necessitarem urgentemente de obras.

Mafalda Moutinho no riad em Fez.
riad Fez 2 (Medium).jpg
riad Fez 3 (Large).jpg

A autora Mafalda Moutinho a observar a antiga cidade de Fez do terraço do magnífico riad.

«O riad, o tradicional palacete marroquino transformado em hotel, era lindo, com paredes e colunas cobertas de mosaicos andaluzes (…) vasos de plantas subtropicais, candeeiros de metal coloridos, mesas, cadeiras, almofadas tradicionais e uma sumptuosa e emblemática fonte».* Mas apesar do ambiente hospitaleiro e pitoresco, Maria tem uma surpresa muito desagradável que a faz pensar em desistir da investigação e renunciar a desvendar o que parece ser um incrível segredo…

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Cap. III - O Códex de Fez

Os Primos conhecem novos amigos e percorrem com eles as labirínticas ruelas da Almedina de Fez em busca da primeira pista do códex, mas acabam por se perder. Um indivíduo de aspeto duvidoso oferece-se para os levar até Chouara, a fábrica de curtumes mais antiga da cidade, e depois de uma intensa cena de perigo, os jovens acabam por descobrir um novo códex dentro de um pote escondido numa parede…

7 - codex atrás da parede final (Large).
6 - fabrica de curtumes final.jpg
Chouara 1 (Medium).jpg

Chouara, a mais antiga fábrica de curtumes de Fez, que os jovens visitam e na qual encontram um pote selado escondido numa parede e contendo um novo códex d’O Livro dos Segredos.

«André (…) enfiou a mão dentro do buraco, penetrando nele com o braço até ao cotovelo, o que provocou um estremecimento involuntário à prima. (…) Então, de repente, algo puxou violentamente por ele, obrigando-o a embater contra a parede, e o rapaz soltou um bramido de dor. — André! André!  — gritou Maria, horrorizada.»*

três arcos de Bab R’cif (Medium).JPG
Almedina de Fez 1 (Medium).JPG
Almedina de Fez 2 (Medium).JPG
Almedina de Fez 3  (Medium).jpg

Os três arcos de Bab R’cif, a porta da muralha que os jovens atravessam para entrarem na parte antiga da almedina, de ruas estreitas e reservadas apenas a transeuntes, considerada uma das zonas pedonais mais extensas do mundo.

Mafalda Moutinho no souk dos metais em Fez.jpg
Mafalda Moutinho no souk dos metais em Fez 2.jpg
Souk dos Metais Fez.jpg
Mafalda Moutinho no souk dos metais em F

A autora Mafalda Moutinho na labiríntica Almedina de Fez, passando pelo «souk dos metais, onde a lojas de pratos e travessas, lâmpadas e candeeiros de todos os formatos e tamanhos imagináveis, se sucediam a outras com fogões, abafadores, bules, maçanetas, vasos, espelhos, molduras, e vários artefactos tradicionais».*

krachels.JPG
tâmaras.JPG
Figos.JPG
Azeitonas.JPG
Azeitonas 1.JPG
farmácia em Fez.JPG

Esta é a parte islâmica da cidade, Fez el-Bali, ou Fez a Velha, fundada entre 789 e 808 AD e considerada Património da Humanidade pela UNESCO. Ao longo da história, Fez foi várias vezes capital, e embora tenha sido substituída por Rabat no início do século XX, foi sempre considerada o centro espiritual e cultural do país.

Cerâmicas.JPG
Cerâmicas 2.JPG
cabeça de camelo.JPG
Patas de camelo.JPG
fonte marroquina (Medium).jpg
Mercado de comida.JPG

A incrível amálgama de produtos à venda nos milhares de ruas da Almedina de Fez. Entre candeeiros, cerâmica, potes, panelas e farmácias encontramos krachels, pãezinhos de água e flor de laranjeira cobertos com sementes de anis e sésamo, tâmaras, figos, azeitonas, e até cabeças e patas de camelo penduradas…

Chouara 2 (Medium).jpg
Chouara 4 (Medium).jpg
Chouara 3 (Medium).jpg
Chouara 5 (Medium).jpg

Em cima, ruas desertas, prédios em péssimas condições, e um indivíduo suspeito que guia Os Primos e os amigos por um labirinto infinito até às traseiras de Chouara, um dos lugares mais simbólicos (e malcheirosos) da Almedina de Fez e quase tão antigo como ela.

A curtição das peles é uma arte que se tem mantido praticamente imutável ao longo dos séculos. Imaginem que ainda utiliza excrementos de pombo dissolvidos em água para amaciar as peles e impedir a sua decomposição orgânica…

Pequeno almoço riad Fez.jpg
Tagines.jpg
Sopa Harira.JPG

O magnífico pequeno-almoço d’Os Primos, com bolos e iguarias locais de aspeto muito apetitoso, como a baghrir, uma famosa panqueca marroquina de sêmola coberta de mel delicioso, a harcha, outro tipo de panqueca mais pequena, muito amarelinha, grossa e polvilhada de sêmola, azeitonas pretas e queijo fresco, os msemen, deliciosos pães ázimos quadrados e cozinhados na chapa, doce de figo, de alperce e de morango, melão, sumo de laranja e leite. Nada mal para começar o dia…

E à noite, a famosa sopa marroquina harira, de tomate, lentilhas e grão-de-bico, e duas tajines marroquinas, deliciosas montanhas perfeitas de cenouras, courgettes e batatas em grandes pedaços, carne, ou um peixe inteiro, couscous e passas, que levam três horas a cozinhar lentamente dentro de uma louça de barro especial, à qual também se chama tajine.

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Cap. IV - O Génio da Caverna Azul

Excitadíssimos com a nova aventura, os jovens conseguem finalmente ler o primeiro capítulo d’O Livro dos Segredos. Neste, o autor Ibn al-Latīf, de apenas 20 anos, narra o episódio mais surpreendente da sua vida, no qual um génio lhe concede um poder incrível. Mas não revela do que se trata, deixando André em pulgas para descobrir o mistério…

8 - Rua de Xexuão final.jpg
Chefchaouen 3 (Medium).JPG

A nova pista leva o grupo a Chefchaouen (Xexuão, em português), uma cidade incrível toda pintada de azul, digna de uma fábula d’As Mil e Uma Noites e… perfeita para esconder mais um códex d’O Livro dos Segredos.

A autora Mafalda Moutinho em Cefchaouen.jpg
A autora Mafalda Moutinho em Cefchaouen
A autora Mafalda Moutinho em Cefchaouen 2.jpg

A autora Mafalda Moutinho em busca de inspiração nas ruas de Cefchaouen (Xexuão).

Chefchaouen (Medium).JPG
Chefchaouen 2 (Medium).JPG
Chefchaouen 4 (Medium).JPG

Fotografias das encantadoras ruas azuis de Xexuão.

Chefchaouen 5 (Medium).JPG
Chefchaouen 6 (Medium).JPG
Chefchaouen 7 (Medium).JPG

«Uns dizem que o azul afasta os mosquitos, outros dizem que Chefchaouen se assemelha a algumas povoações da Andaluzia, das quais recebeu muitos refugiados mouriscos e judeus aquando da sua fundação, e outros referem ainda que a cidade nem sempre foi azul, e que a decisão de a pintar assim foi tomada apenas há algumas décadas para atrair turistas (…) Mas alguns habitantes mais antigos mencionam a existência de uma lenda cujas origens ninguém conhece ao certo…»* e que Os Primos vão acabar por desvendar...

Chefchaouen 9 (Medium).JPG
Chefchaouen 8 (Medium).JPG
Chefchaouen 10 (Medium)a.JPG

Babuchas e pigmentos coloridos e um camião a abarrotar de palha.

«Passaram por barragens, campos de oliveiras estrumadas, extensos campos de cereais acabados de colher e camiões carregados de fardos de palha que ocupavam quase o triplo do seu volume, transbordando vários metros para a estrada, à frente e à retaguarda, num equilíbrio periclitante que parecia sustentado por mãos invisíveis.»*

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Cap. V - O Segredo da Cor Azul

Ao analisar o manuscrito de Chefchaouen, e graças a um truque usado por Ana que envolve espalhar cinzas por cima do papiro, o grupo descobre um mapa de uma antiga cidade romana chamada Volubilis, destruída pelo terramoto de Lisboa de 1755. Mas ao pesquisar as ruínas, André é mordido por uma cobra…

9 - Mapa de Volubilis  (Large).jpg
10 - Basílica de Volubilis com serpente
Volubilis 1b (Large).jpg

À esquerda, o mapa de Volubilis que os jovens encontram no códex de Xexuão. Ao centro, André é mordido por uma cobra-de-ferradura. À direita, a magnífica basílica da antiga cidade romana.

Mafalda Moutinho na basilica de Volubilis.jpg
Basílica e Templo Capitolino Volubilis 1
Basílica e Templo Capitolino Volubilis 5

Em Volubilis, a autora Mafalda Moutinho dirige-se à basílica (à esquerda e ao centro) e ao templo capitolino (à direita).

Volubilis 2 (Large).JPG
Templo Capitolino Volubilis 1.jpg
Casa das Colunas Volubilis (Large)a.jpg

Templo capitolino (à esquerda e ao centro) e Casa da Colunas (à direita), nas escadas da qual Os Primos e os amigos leem mais um códex d’O Livro dos Segredos.

Basilica Volubilis 0 (Medium).JPG
basilica Volubilis 1 (Medium).JPG
basilica Volubilis 7 (Medium).JPG

Interior e exterior da basílica de Volubilis, com as suas magníficas colunas, perante o fórum, o espaço público, no centro da cidade, onde ficava a administração do município, o tribunal e o mercado e onde se desenvolviam as atividades dos comerciantes.

Mafalda Moutinho sob o Arco do Triunfo Volubilis.jpg
Arco do Triunfo Volubilis 1b (Large).jpg
Decúmano Máximo e Porta de Tânger Volubi

À esquerda e ao centro, o Arco do Triunfo, ou de Caracalla, e à direita, o Decúmano Máximo, que conduz à Porta de Tânger. Esta era a zona mais rica de Volubilis.

Mafalda Moutinho na Casa de Orfeu Volubilis.jpg
Casa de Orfeu Volubilis 6b.jpg
Casa de Orfeu Volubilis 2a (Large).jpg

A autora Mafalda Moutinho junto da Casa de Orfeu e vários exemplos de mosaicos nas ruínas da antiga cidade romana: golfinhos na Casa de Orfeu e mosaico de um burro montado na Casa do Atleta.

Mafalda Moutinho em Volubilis.JPG
Casa de Orfeu Volubilis 1a.jpg
Mosaico de Baco na Casa do Cavaleiro Vol

A autora a visitar o quarteirão sul das ruínas de Volubilis, mosaico de Orfeu tocando a sua harpa frente aos animais e mosaico de Baco na Casa do Cavaleiro.

 

Cap. VI - O Códex de Casablanca

A investigação prossegue após o pânico causado pelo incidente da cobra, e os jovens acabam por encontrar um novo códex na basílica de Volubilis. Porém, ao lerem o seu conteúdo ficam ainda mais confusos, pois parte da narrativa não faz qualquer sentido. Além disso, o misterioso autor continua a não revelar o poder que o génio lhe deu…

13 - Códex com zellige.jpg
Hassan II 1.jpg

À esquerda, a página do códex de Volubilis na qual os jovens encontram uma enigmática gravura de inspiração zellige. Não conseguindo descodificá-la, partem para Casablanca, em busca de respostas na incrível mesquita Hassan II (ao centro e à direita), cujo teto requintadamente decorado se abre para o exterior.

Hassan II exterior 1 (Medium).jpg
Hassan II - Mafalda Moutinho (Os Primos).jpg
Hassan II ao longe (Large).jpg

A autora Mafalda Moutinho no exterior da mesquita Hassan II, em Casablanca, Marrocos.

Hassan II exterior 3 (Medium).jpg
Hassan II exterior 4 (Medium).jpg
Hassan II exterior 2 (Medium).jpg

A mesquita levou apenas sete anos a ser concluída e as obras começaram em 1986. Cabem no seu interior 25.000 pessoas e outras 80.000 no exterior.

­As revelações do autor d’O Livro dos Segredos deixam-nos perplexos… «como é que, vivendo no final do século IX, ele sabia do massacre de Fez, que só ocorreu no século XI? Ou que tinha havido dinossauros, no passado, ou que um terramoto acabaria por destruir Volubilis quinze séculos mais tarde? E como é que ele poderia ter escrito um índice das suas aventuras (…) quando ainda não tinha começado a vivê-las?»*

Hassan II interior 1 (Medium).jpg
Hassan II interior 3 (Medium).jpg
Hassan II interior 2 (Medium).jpg

Os Primos visitam o vasto salão de preces (à esquerda) e a belíssima sala das abluções (ao centro e à direita) da mesquita Hassan II.

Os jovens encontram-se ali porque precisam de ajuda para interpretar a misteriosa gravura zellige encontrada no último códex. Assim, visitam também o museu, no qual se expõem vários exemplos da famosa arte utilizada no interior do edifício, e é ali que recebem uma notícia inesperada…

Hassan II zellige 3.jpg
Mafalda Moutinho zellige 5 (Medium).jpg
Hassan II zellige 2.jpg

Em busca de ideias, a autora Mafalda Moutinho observa alguns mosaicos de inspiração zellige, arte muito antiga e típica marroquina, baseada na repetição de motivos geométricos, que surgiu devido ao facto de a lei islâmica não permitir representar seres vivos na decoração dos espaços.

Praia Casablanca 1 (Medium).jpg
Praia Casablanca 2 (Medium).jpg

Extensas praias em Casablanca, Marrocos, por onde Os Primos passam antes de abandonarem a cidade em busca de novas pistas.

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Cap. VII - O Segredo do Zellige

Os jovens descobrem que, devido a um erro de dedução, a etapa seguinte não deveria ter sido Casablanca, mas El Jadida, ou Mazagão, na qual finalmente desvendam o segredo do zellige encontrado no último códex. Mas ao investigarem um dos monumentos mais importantes, a famosa Cisterna Portuguesa, acabam por se meter em sarilhos que parecem não ter fim…

14 - Cisterna Portuguesa de El Jadida  f
11 - zellige final.jpg
Cisterna Portuguesa 4 (Medium).jpg

Os jovens descobrem que o símbolo do códex de Casablanca se refere à Cisterna Portuguesa, um espetacular salão subterrâneo com colunas e pilares em estilo manuelino, onde acabam por ficar presos. Terão de ser incrivelmente criativos para conseguirem sair de lá…

Cisterna Portuguesa 2 (Medium).jpg
Cisterna Portuguesa 3 (Medium).jpg
Cisterna Portuguesa 1 (Medium).jpg

A cisterna foi construída pelos portugueses em 1514, e é composta por uma vasta sala quadrada com seis naves repletas de abóbadas, colunas e pilares, refletidos no estrato de água que cobre o chão. Ao centro, as escadas de pedra que conduzem a uma porta de ferro, a corredores estreitos e escuros, e a mais uma descoberta do grupo…

Cisterna Portuguesa entrada (Medium).jpg
El Jadida esquadra b.jpg
El Jadida esquadra c.jpg

À esquerda, a entrada da Cisterna Portuguesa. À direita, a torre de vigia marroquina por onde os jovens conseguem escapar. A torre era conhecida como El Brija e estava em ruínas quando os portugueses aqui chegam no final do século XV. Hoje encontra-se ocupada por uma esquadra de Polícia a poucos metros da cisterna.

El Jadida fortaleza a.jpg
El Jadida fortaleza 3a.jpg
El Jadida fortaleza 2a.jpg

Tal como Casablanca, El Jadida foi uma das primeiras possessões portuguesas no Norte de África, durante os descobrimentos que levaram à descoberta do caminho marítimo para a Índia. Quando, no final do século XV, a vila passa a fazer parte da Coroa portuguesa, os lusitanos chamam-lhe Mazagão, constroem uma grande fortaleza à sua volta e ali ficam até a abandonarem em 1769.

El Jadida fortaleza 5a (Large).jpg
El Jadida fortaleza 4a (Large).jpg
El Jadida fortaleza 6a (Large).jpg

Canhões na fortaleza de El Jadida. Esta foi a última fortificação portuguesa em Marrocos.

El Jadida mercado Rue Hachmi Bahbah 1.jp
El Jadida jardim interno do riad (Medium
El Jadida mercado Rue Hachmi Bahbah 2 (L

As lojas da Rue Hachmi Bahbah e o magnífico jardim interno do riad onde Os Primos e os amigos ficam em El Jadida, e que o grupo não consegue encontrar quando se perde no seio da antiga almedina. Este é um episódio da aventura que não acaba bem…

 

Cap. VIII - O Encantador de Serpentes

Depois de todas as peripécias, quando chegam finalmente à porta do riad, o hotel onde estão alojados, três indivíduos roubam a mochila de André, na qual este guardara o último códex. Desolados, os jovens temem ter perdido para sempre o segredo do seu conteúdo. André receia jamais descobrir o poder que o génio dera a Ibn al-Latīf, mas tem uma ideia brilhante que acaba por conduzi-los a Marraquexe e a um encontro inesperado com um encantador de serpentes…

15 - Cabras na árvore final.jpg
Cabras na argânia (Medium).jpg
16 - souk Marraquexe final.jpg
Souk Marraquexe 1a (Medium).jpg

Sim, não estão enganados, estas são mesmo cabras em cima de uma argânia (a árvore que produz o argão, que elas adoram comer).Os Primos veem-nas a caminho de Marraquexe, na última etapa desta aventura. À direita, uma cena de perseguição pelos movimentados e sugestivos souks (mercados) da cidade.

Encantador de serpentes em Marraquexe.jp
Encantador de serpentes em Marraquexe 3
Encantador de serpentes em Marraquexe 2

Os encantadores de serpentes da praça Jemaa el-Fna que inspiraram  a autora Mafalda Moutinho a escrever uma das cenas finais.

Antiquário em marraquexe 1 (Medium).jpg
Souk Marraquexe 5a (Medium).jpg
Souk Marraquexe 3.jpg

À esquerda, as velhas máquinas fotográficas do antiquário onde, na história, os quatro marroquinos tentam vender o precioso códex encontrado pelos jovens. Ao centro e à direita, alguns exemplos de produtos fascinantes à venda nos magníficos souks de Marraquexe.

Souk Marraquexe 7a (Medium).jpg
Souk Marraquexe 57a (Medium).jpg
Souk Marraquexe 2 (Medium).jpg

«A variedade de produtos era surpreendente. Desde os mais perfeitos montículos de bolinhos, especiarias, pigmentos coloridos, sabonetes incrivelmente perfumados, âmbar ou frutos secos, a fiadas de cintos, chapéus, casacos e pitorescas malas em pele, em tecido ou até em mosaico, passando por camisões, babuchas, bules, travessas, candeeiros, artigos de madeira e cerâmica trabalhados à mão, cestos, tapetes, echarpes, óleo de argão, perfumes, pulseiras e colares.»*

Souk Marraquexe 6a (Medium).jpg
Souk Marraquexe 4 (Medium).jpg
Souk Marraquexe 8a (Medium).jpg
Souk Marraquexe 10.jpg
Praça Jemaa el-Fna 1 (Medium).jpg
Praça Jemaa el-Fna 2 (Medium).jpg

«Os turistas dividiam a sua atenção entre as variadas escolhas que o espaço oferecia, desde as bem organizadas e apelativas bancas de sumos frescos e de fruta seca, com admiráveis expositores repletos de tâmaras de todos os tamanhos e preços, aos cartomantes, vendedores de água berberes e barracas que começavam a preparar-se para vender comida típica à noite, sem esquecer quem oferecia óleo de argão, sabonetes, tatuagens de hena, escovas de dentes naturais feitas com pequenos ramos de árvore e mezinhas de todo o tipo sob grandes chapéus de sol.»*

espetadas (Medium).jpg
pastilha (Medium).jpg
riad Marraquexe (Medium).jpg

As espetadas de frango marinado e a deliciosa pastilha que os jovens comem no caminho para Marraquexe e o bonito riad onde ficam instalados na almedina da cidade.

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Cap. IX - O Maior Segredo de Todos

Depois de perseguirem os ladrões pelos souks de Marraquexe, os jovens acabam por conseguir reaver o códex perdido, que lhes narra o incrível final d’O Livro dos Segredos, os avisa de uma terrível pandemia futura e lhes revela finalmente o misterioso poder que o génio dera ao seu autor. Mas o maior segredo de todos, totalmente inesperado, pois nenhum deles contava descobri-lo, não se encontra dentro do antigo manuscrito e é Ana quem o vai desvendar…

17 - Praça Jemaa el-fna com códex final
Mafalda Moutinho na praça Jemaa el-Fna.jpg

À esquerda, Os Primos e os companheiros com quem viajam por Marrocos em busca de um códex incrível, O Livro dos Segredos, que se revela capaz de penetrar na mente de André, levando-o a ver os livros com outros olhos. À direita, a autora Mafalda Moutinho no restaurante sobre a praça Jemaa el-Fna, onde o grupo descobre O Maior Segredo de Todos

Praça Jemaa el-Fna 2 (Large).jpg
Praça Jemaa el-Fna 4 (Large).jpg
Praça Jemaa el-Fna 3 (Large).jpg

Marraquexe é um dos destinos turísticos mais concorridos de todo o continente, possui o maior mercado tradicional do país e talvez a mais famosa de todas as praças africanas, Jemaa el-Fna, com um enorme terreiro no qual desembocam os vários souks confinantes. «Desde o século XI que aqui se juntam vendedores, dançarinos, saltimbancos, músicos, curandeiros e encantadores de serpentes oriundos de todo o país, rodeados por turistas curiosos.»*

* in, Moutinho, Mafalda, A Lenda do Livro dos Segredos, 1a edição, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 2020.

 

Ilustrações de Umberto Stagni

© Mafalda Moutinho Todos os Direitos Reservados

©Mafalda Moutinho All rights reserved